Entrando no Feeling com Stephen King – O que podemos aprender sobre marketing com o mestre do terror

Ana Paula Martins
Ana Paula Martins

Formada em Publicidade e Propaganda; MBA Marketing Branding e Growth

Ana Paula Martins
Ana Paula Martins

Formada em Publicidade e Propaganda; MBA Marketing Branding e Growth

Stephen King é um fenômeno da literatura mundial. Nascido em 1947 em Portland, Maine, EUA, ele é considerado um dos maiores mestres da literatura de terror e suspense. Suas obras conquistaram milhões de leitores em todo o mundo.

King começou a escrever desde muito jovem, influenciado por autores como H.P. Lovecraft e Ray Bradbury. Seu primeiro romance, “Carrie”, publicado em 1974, foi um enorme sucesso e abriu as portas para uma carreira prolífica que já rendeu mais de 60 romances, além de contos, novelas e roteiros para cinema e TV.

Alguns de seus livros mais famosos incluem “O Iluminado”, “It – A Coisa”, “O Cemitério”, “A Dança da Morte” e a série “A Torre Negra”. Mais de 40 obras já foram adaptadas ao cinema, como o gigantesco sucesso “It – A Coisa”, que superou os US$700 milhões de arrecadação.

Apesar de ser conhecido pelo terror, Stephen King também transita por outros gêneros como drama e ficção científica. Sua habilidade em criar histórias cativantes e atmosferas densas o tornou um dos autores mais aclamados e vendidos de todos os tempos.

Com uma carreira de mais de quatro décadas, King continua escrevendo e encantando leitores ao redor do mundo. Essas são as lições mais valiosas de marketing e comunicação que podemos aprender com o mestre do terror:

Storytelling

O primeiro, e também mais óbvio: boas histórias vendem muito.

Já falamos algumas vezes aqui sobre storytelling, e como você pode utilizar essa técnica para se conectar com seu público e vender muito mais. Boas narrativas envolvem as pessoas de maneira profunda, ativando suas emoções e criando associações verdadeiras com a marca.

Além disso, o storytelling é uma poderosa ferramenta de persuasão. Ao envolver o público em uma jornada narrativa, as marcas criam um contexto emocional que facilita a aceitação de suas mensagens e produtos. As pessoas tendem a se lembrar mais facilmente de histórias do que de dados e estatísticas, sendo uma estratégia eficaz para influenciar decisões de compra.

É por isso que o storytelling é tão eficaz em marketing: ele humaniza a marca, tornando-a mais autêntica e memorável.

Entenda o poder de criar histórias que ressoam e engajam nesse artigo.

King tem a habilidade de tecer narrativas ricas e densas, repletas de personagens complexos e situações que evocam uma gama de emoções. Esse é o segredo do seu sucesso.

Conheça o seu público

Stephen King é um dos maiores escritores da atualidade, e apesar de ter milhares de fãs, existe uma parcela gigantesca de leitores e cinéfilos que não gostam do seu trabalho. E tudo bem, King nunca teve a pretensão de escrever para todos, mas sim para aqueles que assim como ele, gostam de histórias de terror e suspense.  

A sua marca não deve ser diferente. Na ânsia de vender, é comum que uma marca tente se comunicar com todos, mas isso é uma estratégia falida. Seu conteúdo ficará genérico e sem foco, e dificilmente você se conectará de verdade com alguém.

Saber quem é o seu público e ter uma persona bem definida, fará com que sua comunicação seja muito mais assertiva, e você transforme meros espectadores em clientes.

Fale a língua do seu público

Como continuidade da estratégia anterior, a partir do momento que você conhece o seu público você deve falar a língua dele. Isso significa que você deve:

·         Criar conteúdo personalizado, que ressoem com os desejos, dores e emoções desse público;

·         Utilizar os canais e plataformas que o seu público é mais adepto;

·         Antecipar os comportamentos padrões desse público;

·         Adotar uma linguagem, tom de voz e estética alinhados com seus valores e estilo de vida.

O grande diferencial de King não está na linguagem robusta, ou no vocabulário copioso, nem nas descrições exageradas. Não porque ele não tenha capacidade de escrever dessa maneira, afinal, ele foi professor de língua inglesa, mas porque sabe que seu público prefere uma linguagem simples com enfoque na história.

Use o suspense e antecipação

É muito comum encontrar um capítulo de livro que termina no meio de um suspense, ou até mesmo o final de um livro, que tenha continuação, com a história em aberto. Isso é uma jogada certeira, os seus leitores não conseguem parar de ler, ou esperam ansiosamente o lançamento da continuação. É claro que King faz isso com estratégia, geralmente suas sequências já tem todas as histórias escritas antes mesmo do lançamento do primeiro volume.

Criar suspense e antecipação pode ser uma ferramenta poderosa no marketing. Campanhas teaser e previews, com prévias curtas que dá ao público um vislumbre do que está por vir, sem revelar muitos detalhes, ofertas de exclusividade e lançamentos antecipados, contagens regressivas, entre tantas outras estratégias, podem gerar expectativa, engajamento e resultar em grandes sucessos de venda.

Incorpore o feedback

Sendo um usuário assíduo do Twitter, agora X, King tem uma relação bem próxima com seus fãs, e costuma escutar o que eles têm a falar sobre seus livros. Não só busca o feedback dos seus leitores, como ajusta a sua escrita e suas histórias de acordo.

Ouvir o feedback dos seus clientes e ajustar às suas estratégias de marketing e comunicação, melhorar seus produtos ou serviços, aprimorar o atendimento e muito mais, com certeza aumentará a satisfação do cliente e fortalecerá o branding da sua marca.

Persistência e constância

Possivelmente o maior ensinamento que podemos aprender com King é ter persistência e constância. Principalmente para estratégias de branding, pode levar algum tempo até você obter resultados consistentes, mas uma vez que começam aparecer, eles se tornam exponenciais.

Explicamos um pouco mais sobre o porquê do Branding ser “increasing returns” nesse artigo aqui.

Em seu livro “Sobre a Escrita”, King revela o quanto precisou insistir em suas histórias até que elas começassem a serem aceitas, como mostra nesse trecho:

“Quando eu tinha 14 anos (e me barbeava duas vezes por semana, precisando ou não), o prego na parede mal conseguia sustentar o peso dos bilhetes de recusa empalados nele. Troquei o prego por outro maior e continuei a escrever. Aos 16 anos, comecei a receber bilhetes de recusa acompanhados de cartas manuscritas um pouco mais encorajadoras que o conselho para parar de grampear os originais e começar a usar clipes de papel.”

Mesmo depois de seu primeiro sucesso, com o romance “Carrie”, King nunca parou de escrever, e por isso soma mais de 60 publicações.

Lembre-se de ser constante em suas ações de marketing, com postagens regulares e de qualidade.

Aqui na Feel, estamos munidos com conhecimento técnico e muita experiência, para aplicar essas e tantas outras estratégias no marketing da sua marca. Entre em contato e faça do seu negócio um grande sucesso, assim como as histórias do Stephen King.

Assine nossa newsletter!